Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2007

A retrospectiva do velho menestrel

Imagem
Nestor Kirjner



Andei um bocado por Brasília no ano de 2007, fazendo o que gosto e trabalhando pela cultura da cidade. Não vi tudo, participei apenas daquilo a que pude assistir. Mas, modestamente, destaco algumas coisas que vi e ouvi com emoção e prazer, nesse triste ano político de nossa existência.

E ELES CONTINUAM POR AÍ: No ano em que Renan, Mônica Veloso, George Bush e Hugo Chávez reinaram absolutos nas manchetes brasileiras, fica difícil falar em esperança. Meu xará argentino também deu uma força ao caudilhismo emergente na América Latina, promovendo a segunda ressurreição de Evita, desta vez com o nome de Cristina Kirchner. A “prima” é minha, mas vai sobrar pra todos nós! E o Evo boliviano? Que que é isso, Sílvio Luiz? Mas deixa pra lá! Coluna cultural não deve falar de política. Talvez seja melhor esquecer os perigos de 2008 e dar um passeio pela música do Planalto Central em 2007. Vamos lembrar o que houve de bom por aqui. Alô, Joaquim Barbosa! Vê lá, Mermão! Não vá decepcionar…

Convite para o aniversário de um perdedor

Imagem
Marco Antunes








Eu quero convidá-lo
para comemorar o nascimento
de um cara que viveu muitos anos atrás.


Um sujeito franzino
que nunca teve porte de general
e não sonhou jamais
conduzir exércitos e batalhas.


Um pobretão de família obscura
cujo pai não passava de um simples operário
e a mãe, pelo que se sabe, fora apenas doméstica.


Nosso homenageado
jamais se sentou
entre os letrados de sua época
como um igual.

Suas letras eram mínimas,
sua erudição inexistente
e jamais investigou as sutilezas da filosofia
ou enfrentou os mistérios da ciência.


Dir-se-ia um homem comum
que respeitava os costumes
e cumpria as datas culturalmente acordadas.


Você, com todo direito me perguntará agora
pelos feitos que o notabilizam
para que se o comemore.


É uma justa pergunta
sem resposta previsível
ou com respostas povoadas
mais de negativas que de afirmativas.


Não lutou batalhas
nem ganhou uma guerra;
Não construiu monumentos
nem governou seu povo;
Não viajou pelos campos abstratos da mente
nem descortinou novas terras;
Não escreveu livros,
al…

Por quem os jingles dobram

Imagem
Eneida Coaracy






Queridos amigos (do batente do dia-dia, não tão distantes, distanciados pelas circunstâncias da vida, de além-mares, daqui e de acolá),

Cá estamos novamente encerrando este ciclo temporal chamado ANO, criado pelo homem para ajudá-lo a demarcar etapas, ciclos, movimentos, passagens. Sinos rebimbam, jingles ecoam repetidamente na mídia, urgindo todos a comprarem, presentearem-se, confraternizarem-se. O Natal está chegando! Um Novo Ano anuncia vida nova, promessas de realizações pessoais e de sonhos, mudanças e viagens. Tudo é mágico e possível. O verdadeiro sentido do Natal, perdendo-se nesta ruidosa confraternização consumista inventada pelo homem.

Entretanto, torna-se praticamente impossível escapar do redemoinho natalino, de cuja força magnética ninguém parece conseguir escapar, inclusive eu própria, que aqui estou tentando me conectar aos meus amigos queridos e não me deixar fragmentar por esta ventania salpicada de falsas estrelinhas douradas — que cegam de tanto que ci…

Felicidade, eu tenho!

Imagem
Sábado à tarde, comemoração do Dia das Mães na escola. Pela manhã, já ganhei o presente: um cartão tridimensional feito na aula de artes. No centro dele, um menininho com um coração pregado no peito diz que sou legal e que gosta muito de mim.
O estacionamento, insuficiente em dias normais de aula, hoje cospe os carros para as quadras vizinhas. Paramos a quase um quilômetro de distância e fazemos o trajeto a pé, no sol escaldante das 15 horas. Dezenas de famílias fazem o mesmo.
O pátio está lotado. Levo meu filho ao camarim, enquanto vou à Secretaria pegar a camiseta que devo usar no evento. Ela é preta e tem frase estampada em vermelho: “Felicidade, eu tenho!” A das crianças é branca, com os mesmos dizeres. Por precaução, encomendei o tamanho GG. Foi exagero: ela quase chega aos meus joelhos, mas não há outra disponível.
A diretora lê um bonito texto, ao qual ninguém presta atenção. Todos se fazem a mesma pergunta: “Quando vai começar?”, ou melhor, “Quando vai terminar?”
Com meia hora de …

Comentário sobre "Velhota, eu?"

Imagem
Cara Luci,

Muito agradou-nos receber seu primeiro livro de crônicas e, mais ainda, ler o texto Felicidade, eu tenho!
Dialogar com você por meio de seus enredos ambientados em Brasília foi um prazer. Parabéns pela sensibilidade, espontaneidade e sutileza de seus textos que, certamente, fazem-lhe porta-voz de muitos brasilienses no cotidiano de nossa cidade.


Um abraço,

Márcia







Márcia Gomes Fernandes é diretora do Colégio Arvense.
http://www.arvense.com.br/

Enamoramento 2

Imagem
Maria Amélia Costa


Coisa estranha essa de querer o outro por perto, acercando-nos com paparicos e cuidados e a um passo poder tocar o seu braço e mergulhar pela abertura côncava entre o tecido e a pele em busca de um músculo contornado pelos movimentos do homem.

Num instante se sentir em um tamanho que cabe nos poros que moldam o corpo e nesse mesmo instante deslizar inundando-se em abismos de sensações perpendiculares, doces, cegas. Confundir-se nele, movida pela inocência angelical que conduz a luz por olhos moventes numa posição que, abaixo, é de entrega confortável e dolente.

Ele, sempre crescente, contorna o espaço e o tempo, alonga a paisagem.

Os dedos dela, cúmplices no gesto, tateiam imprimindo marcas digitais reunindo, ali, a consciência do mundo. Depender dele. Ser, apenas nele. Sentada ao lado, não precisa de nada, apenas ficar ali e se deixar... Como um corpo sem alma, desprovido de essência e de sentido.
Se deixar. Sem medo, sem angústia, sem pressa, sem frio.
Um não ser.

Sem trololó nem xurumela

Imagem
— Eu vou lhe incomodar, mulher.
A voz possante, o sotaque potiguar, as implicações que ela adivinhava no verbo “incomodar”, tudo isso dava à frase um forte apelo erótico. Será que o antigo colega de ginásio, agora reencontrado num curso de reciclagem na empresa, era igualmente vigoroso em outras áreas? Havia evidências disso: três ex-mulheres e sete filhos.
Ela acabara de trazer das férias o minúsculo Dicionário de Potiguês e o volumoso Dicionário do Nordeste, com 5.000 palavras e expressões. Procurou em ambos, no verbete “incomodar”, algum sentido que confirmasse sua intuição — encontrou “perturbar”, que, por sua vez, remeteu a “desassossegar”. Sim, ela queria ser desassossegada. Aproveitou para estudar o minidicionário. Quem sabe usaria seus conhecimentos muito em breve?
Por coincidência... não, por força do destino, reencontravam-se após 30 anos. Ela sempre o admirara de longe, na escola. Quem sabe era o homem da sua vida, como naquele filme do Tom Hanks? Imaginou-se desfrutando a lua…

Um recado amoroso para minha amiga Rosângela

Imagem
Maria Amélia Costa








Querida Rosângela:
Ontem pela manhã e em tempos anteriores eu dizia pra você:
Querida, tenha cuidado. Sei que você não está enxergando direito e por isso não consegue manter-se no seu eixo. Confusa, nesse labirinto das labirintites, você anda em zigue-zague numa cadência estranha.
Por vezes, num movimento em espiral que a faz levar a mão à cabeça você diz:
Por favor, me ajudem eu ainda não estou bem.
Todo mundo sabe o quanto sofrem aqueles — e, principalmente, aquelas — que se distanciam do eixo que os mantém. Dizem que labirintite é uma coisa horrível! Mas é o distanciamento (de eixo, quero dizer!) o que nos maltrata.

Mais uma vez, querida, cuidado. Por esses dias você estava saindo, a duras penas, de uma depressão. Todos sabem, também, que depressão é um buraco fundo, escuro e escorregadio. Há até quem escute línguas estranhas e promessas vãs quando adentra por buracos assim.
Para uma pessoa com depressão e labirintite parece que não há salvação.

Mas...
Ontem, ainda, eu a v…

Istrogonofe com safrão

Imagem
— O que tem de almoço, Ana?
— Fiz istrogonofe, Ci.
— Por que está amarelo desse jeito?
— Tava muito branco, pus um pouquinho de safrão.
— Oba! Você fez mousse de chocolate?
— É arroz doce, Ci. O açúcar parece que queimou demais.
— O baixinho almoçou?
— Igual um leãozinho.
— Ele comeu o strogonoff desse jeito?
— Não, ele quis núguets com molho babicu. E um copão de Coca-Cola!
— Levou o quê de lanche?
— Orkut e chips.
—Tem café novo, Ana?
— O pó acabou, Ci. O coador também.
— Vai lá comprar. Estou doida para tomar um café.
— Tem outro problema.
— Qual?
— Vieram cortar o gás.
— Por que você não me ligou?
— Não gosto de incomodar a Ci. O moço disse que se pagasse na hora, não cortava.
— Ai, ainda bem! Você pagou?
— Não tinha mais dinheiro.
— E o que eu deixei, Ana?
— Gastei na floricultura. Ci gostou das gerbras, gostou?

Caminhos por dentro

Imagem
Maria Amélia Costa


Era um desses finais de manhã de sol quente.

Acabara de sair do consultório e se dirigia para o shopping. Em breve o calor do sol ficaria lá fora. Combinara com o filho de se encontrarem, mas ainda era cedo para o almoço e ele talvez demorasse a chegar. A porta automática se abriu, ela entrou e logo sentiu o conforto fresco que circula pelo interior de lugares assim. Ao seu lado havia muita gente nesse ir e vir que marca a humanidade inquieta dos humanos. Estava cercada por essas criaturas e sentia-se confortável. O conforto a fez sorrir enquanto subia pela escada rolante evitando segurar naquelas laterais que também rolam, mas que não acompanham com a mesma velocidade os degraus que sobem e descem como se tivessem vida própria – observara. Num pensamento solto avaliou que havia uma cumplicidade velada porque o consultório do psicólogo, o da massagista e o do dentista que ela, agora, freqüentava ficavam todos ali, nas imediações do lugar. Mas não se deteve nesse pensa…

O pequeno capitão

Imagem
— Mãe, se eu fizer uma pergunta, você não fica triste, deprimida, nem com cara de preocupada?
— Não - respondeu a mulher, já acostumada com a abordagem do filho.
— Jura?
— Juro.
— Como se faz uma adoção?
Chegara o doloroso momento que ela vinha adiando e do qual não podia mais fugir. Tentou desconversar:
— De bebês?
— Não, mãe, de animais.
Ficou calada, esperando que ele desviasse a atenção para outro assunto. Sabia bem aonde a conversa ia levar. Ele lhe estendeu um papel:
— Está aqui o número do canil. Deu na televisão. Posso? Posso? Posso?
— Pode - ela concordou, refém da velha promessa e do olhar suplicante. Há algum tempo ele vinha pedindo um cachorro. Nas longas férias de janeiro, sentiu-se só e voltou a insistir no pedido.
— Tem certeza? Tem certeza de que tem certeza? Você está brava comigo? Não mesmo?
— Sim, sim, não, não.
Estava prestes a se iniciar a terceira experiência canina da pequena família. A primeira: Vivi, Yorkshire emotiva e carente, objeto de abaixo-assinado no prédio devido a…