domingo, 24 de junho de 2012

Escrever é traduzir...



 José Saramago


            Escrever é traduzir. Sempre o será. Mesmo quando estivermos a utilizar a nossa própria língua. Transportamos o que vemos e o que sentimos (supondo que o ver e o sentir, como em geral os entendemos, sejam algo mais que as palavras com o que nos vem sendo relativamente possível expressar o visto e o sentido…) para um código convencional de signos, a escrita, e deixamos às circunstâncias e aos acasos da comunicação a responsabilidade de fazer chegar à inteligência do leitor, não a integridade da experiência que nos propusemos transmitir (inevitavelmente parcelar em relação à realidade de que se havia alimentado), mas ao menos uma sombra do que no fundo do nosso espírito sabemos ser intraduzível, por exemplo, a emoção pura de um encontro, o deslumbramento de uma descoberta, esse instante fugaz de silêncio anterior à palavra que vai ficar na memória como o resto de um sonho que o tempo não apagará por completo.

(Texto recebido por e-mail de José Rodrigues.)
#Compartilhe:

terça-feira, 19 de junho de 2012

Poucaseboas

#Compartilhe:

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Canto das Letras






O Canto das Letras, promovido pelo Espaço Cultural Zumbi dos Palmares, com o apoio da TV Câmara e do Sindilegis, é um programa que contempla artistas de Brasília, aliando música e literatura. Em formato de talk-show, o ator Jones Abreu recorre a um bate-papo informal, no qual a plateia pode participar. Ele faz a leitura dramatizada de textos dos escritores e conversa sobre carreira e processo de criação, entremeando com as composições do músico. Na edição de junho, o evento contará com a escritora Ana Maria Lopes, o escritor Fernando Saboia, além do cantor e compositor Eduardo Rangel.
Ana Maria Lopes é jornalista aposentada. Trabalhou no Jornal da Câmara e na TV Câmara, onde foi chefe de reportagem e diretora do Núcleo de Vídeos Especiais. Exerceu o jornalismo também na TV Nacional de Brasília, TV Alvorada e Jornal O Globo.
Premiada em concursos literários, obteve o primeiro lugar no concurso de poemas patrocinado pela Embaixada de Portugal, pela Livraria El Atheneo e pelo jornal O Globo, em 1967. Foi também a primeira colocada no concurso promovido pela Editora Abril, em 1981. Em 1995, faturou prêmio no concurso de contos organizado pela Baume Mercier e pela Bloch Editores. Em 1996, Ana Maria lançou seu primeiro livro de poemas, Conversa com Verso. Outro poema de sua autoria, Recreio, confeccionado em mosaico pelo artista plástico Gougon e o grupo Ciranda do Mosaico, está na parede externa da Biblioteca Demonstrativa de Brasília. Seu segundo livro, Risco, está no prelo e deve ser lançado em agosto deste ano. Atualmente, trabalha em uma pesquisa sobre as mulheres na Guerra do Paraguai, o que deverá render um romance histórico.
Fernando Saboia é cearense, graduado em Relações Internacionais e em Direito, com especialização em Gestão Legislativa e mestrado em Ciência Política. Na Câmara dos Deputados desde 1981, trabalhou no núcleo de Redação Parlamentar, escrevendo discursos, antes de migrar para a área jurídica. Em 2011, assumiu a direção do Cefor (Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento) onde já havia atuado como aluno e instrutor.
Escreve desde a infância, época em que se envolveu com a literatura, tendo sempre muitos livros em casa. O primeiro dinheiro que ganhou na vida foi em um concurso de redação. Colecionou, ao longo dos anos, vários cadernos de poesia. Um deles, Tardes e Manhã, virou livro e foi publicado em 2011, com ilustrações dos crepúsculos de Brasília. O segundo, Versos no Altar, ilustrado com fotografias, está quase pronto para publicação. Tem alguns poemas musicados por compositores amigos, entre os quais o Zazo, músico servidor da Câmara. Publica também no blog baudofernando.blogspot.com.
O cantor e compositor Eduardo Rangel começou sua carreira em 1979, aos 16 anos, quando se classificou entre os finalistas da Feira Pixinguinha, promovida pela Funarte. O primeiro CD ‘Pirata de mim’ foi contemplado com o I Prêmio Renato Russo.  Um de seus CDs que merecem destaque é o que gravou ao vivo com a Orquestra Filarmônica de Brasília em 2006. O CD mais recente, ‘Estúdio’, gravado no Rio de Janeiro, traz a canção ‘Bicicleta’, considerada um clássico da música brasiliense.
Indicado como melhor compositor pelo VII Prêmio Sharp de Música, ao lado de Chico Buarque e Paulo Miklos, Rangel teve influência da modernidade brasiliense e canta com personalidade e sentimento. Seu trabalho foi tema do documentário ‘Destino Brasil Música - Um Outro Som’, em 2007. Performático e com público cativo em Brasília e no Rio de Janeiro, Rangel mantém-se em atividade constante, com shows sempre concorridos.



SERVIÇO

Data: 21 de junho
Local: Auditório da TV Câmara, Edifício Principal
Hora: 19horas
Entrada franca


#Compartilhe:

sábado, 9 de junho de 2012

Tudo sofre ao meu redor


Luci Afonso



          Tudo sofre ao meu redor.
O cãozinho que atravessa a rua com o dono.
A velha que compra a máscara antirrugas.
O jovem que ri alheio aos perigos da alegria.
Meu sorriso pouco e falso.
A mensagem mais corriqueira me parece aviso dos anjos.
Será que vou morrer e já me despeço?
Estou em eclipse.

(Imagem: http://www.designsimples.com.br/)
#Compartilhe:
© LUCI AFONSO| A Crônica Brasileira