Pular para o conteúdo principal

Postagens

As árvores estão mais verdes

Luci Afonso
Cheguei a pensar que não tinha assunto para escrever, até que descemos à área verde do bloco e nos sentamos no banco amarelo, que ficava na sombra à tarde. O parquinho estava cheio de crianças brincando, e a quadra esportiva, de adultos jogando futebol. Cães andavam com os donos. Famílias inteiras passeavam, com um picolé ou um sorvete para se refrescar. — As árvores estão mais verdes —disse ele, assim que nos acomodamos. A voz era doce, quase infantil. — E o céu, está mais azul? — brinquei. — Sim, está. Acho que sim — ele mostrou o sorriso meigo, que me enchia de esperança. — Para mim também — respondi. Observei o jovem magro e barbudo ao meu lado, que se divertia com o celular. Ele não era vaidoso, mas de repente sentira vontade de ter coisas. A cada dia, uma novidade: camisetas com dizeres irreverentes, óculos que havíamos comprado aquela semana mesmo — um para ler, outro para dirigir; o relógio com visor digital maneiro; a corrente que ele importara da China, com uma peque…
Postagens recentes

Abaixo de zero

Luci Afonso
O ambiente no ônibus era tenso. Tínhamos acordado de madrugada para chegar a Washington ainda de manhã. Todos estavam sonolentos e com fome, pois o breakfast seria servido num restaurante na primeira parada, após duas horas. Era domingo. Eu estava sozinha, num dia particularmente difícil. Minha prima, que me acompanhava, resolvera ir também de ônibus a um outlet em Nova Jersey para trocar o par de tênis da filha. Havíamos andado a cidade inteira atrás desse tênis. Ela não desistiu. O guia, Antonio, estava pouco inspirado: sentou-se e não falou até chegarmos ao restaurante. Depois de comer, pareceu despertar e disparou a falar sobre os lugares por que passávamos. Estava muito, muito frio. Achei a cidade belíssima. Visitamos os pontos históricos, incluindo os memoriais de guerra, a Casa Branca e o Capitólio. Antonio andava depressa, quase correndo, por causa do frio e do horário. O grupo tentava acompanhá-lo, e eu era sempre a última a descer e a subir no ônibus. Eu calçava uma…

Saramago e as palavras

“Estranha relação é a que temos com as palavras. Aprendemos de pequenos umas quantas, ao longo da existência vamos recolhendo outras que vêm até nós pela instrução, pela conversação, pelo trato com os livros, e, no entanto, em comparação, são pouquíssimas aquelas sobre cujas significações, acepções e sentidos não teríamos nenhumas dúvidas se algum dia nos perguntássemos seriamente se as temos. Assim afirmamos e negamos, assim convencemos e somos convencidos, assim argumentamos, deduzimos e concluímos, discorrendo impávidos à superfície de conceitos sobre os quais só temos ideias muito vagas, e, apesar da falsa segurança que em geral aparentamos enquanto tateamos o caminho no meio da cerração verbal, melhor ou pior lá nos vamos entendendo, e, às vezes, até, encontrando.”

“Ao contrário do que geralmente se pensa, as palavras auxiliadoras que abrem caminho aos grandes e dramáticos diálogos são em geral modestas, comuns, corriqueiras, ninguém diria que perguntar, Queres um café, poderia se…

Sabiazinho

Luci Afonso
Saio mais uma vez para caminhar, diluindo a ansiedade em passadas curtas e firmes. A chuva lavou o céu e as nuvens até chegarem a um tom puríssimo de azul e branco. Toda manhã sinto o abraço do sol e o carinho das árvores. Conheço cada uma em meu trajeto. Sei a que floriu ontem, a que perdeu folhas ou ganhou brotos. Elas me acenam e me lançam flores. Há alguns dias, sou atacada por um pássaro que voa rente à minha nuca e faz um ruído assustador. Pela violência do ataque, poderia ser uma ave de rapina. Hoje ele atacou uma vez e pousou no chão do prédio; atacou de novo e pousou num galho. Descubro que é apenas um sabiazinho cinza-escuro, não sei se macho ou fêmea, provavelmente defendendo seus filhotes. Começa uma chuva fina e refrescante. Acelero o passo e chego em casa a tempo de ver meu filho saindo para a faculdade. Ele está fazendo um enorme esforço para retomar os estudos. — Hoje nem consigo existir — ele costuma dizer, meio brincadeira, meio verdade. — Será o caos, mãe? …

Pequena grande vida

Luci Afonso


Mais uma vez visito Araxá, Minas Gerais. A vida na cidade pequena se resume ao essencial: comer, dormir, amar, conversar. Não há distrações como na cidade grande. Um shopping, por exemplo, é absolutamente desnecessário. Indispensável mesmo é a cadeira na calçada ou na varanda para observar o movimento e cumprimentar quem passa. O tempo anda mais lento. Ninguém tem pressa. Os amigos param e batem papo no trânsito sem ouvir buzinas. Todos se conhecem. A maioria nunca viajou e não sente falta disso. Alguns já foram a lugares distantes a cem e até a duzentos quilômetros. As pessoas são mais satisfeitas, mais contentes. O dia transcorre calmo, tudo na sua hora, com intervalo para a sesta do almoço. É possível chegar a pé à avenida principal, onde fica o comércio. Que, aliás, fecha ao meio-dia de sábado e só reabre na segunda-feira. A maior distração são os encontros de família ou de amigos. Quem não tem nenhum dos dois corre o risco de se sentir só. Sem a opção de andar no shoppi…

Amabilidade reduzida

Luci Afonso
Na semana passada, houve a formatura de um sobrinho num elegante clube de Brasília. Chegamos em cima da hora, o salão lotado. As cadeiras vazias estavam “marcadas” por bolsas e casacos, como é o costume brasileiro. Depois de procurar inutilmente por dois lugares, decidi recorrer ao meu direito de Pessoa com Mobilidade Reduzida de ocupar poltronas preferenciais, junto com um cuidador. É claro que enfrentamos olhares reprovadores. Na plateia, vi pessoas que não haviam utilizado o seu direito, entre elas, um homem com um tremor visível e um rapaz em cadeira de rodas, espremidos entre os convidados, quando poderiam estar sentados à frente, com mais espaço e conforto. A lei brasileira equipara os direitos das pessoas com deficiência aos das pessoas com mobilidade reduzida e garante a ambos os grupos o atendimento prioritário. Nesse caso específico, os seguranças foram acolhedores e simpáticos, mas, como me lembrou hoje uma amiga, eles poderiam ter perguntado: — Onde está es…

O prazer de ler

Palestra "O prazer de ler" na Escola Municipal Profa. Auxiliadora Paiva, Araxá, MG
Mais fotos:
https://www.facebook.com/permalink.php?story_fbid=2162309913793472&id=100000434529474