Pular para o conteúdo principal

A lenda do pé de jambo


Luci Afonso

Dizem que há muito tempo, numa pequena cidade do interior do Brasil, viveu uma menina de pele clara e perfumada como o jambo. Seu nome era Joaninha. Sua família era grande e pobre. O pai vendia queijos na rua, mas o pouco que ganhava era gasto com a pinga. A mãe trabalhava na casa de uma senhora rica e só tinha folga no sábado à tarde. Joaninha era a mais velha de sete irmãos. Chegava da aula, fazia o almoço, servia as crianças e cuidava delas até a noite. Quando o pai chegava bêbado, os irmãos pulavam na cama e fingiam estar dormindo. Ela punha a janta e depois o ajudava a se deitar.
Era a hora favorita de Joaninha. Ela pegava o livro que sempre trazia da escola e sentava num toco de árvore no fundo do terreiro, embaixo da luz do poste. Nesse cantinho, lia estórias de pessoas felizes, que tinham tudo o que desejavam. Quando acabava de ler, pensava com força: quero ser feliz, quero ser feliz, quero ser feliz.

Uma noite, a menina observou que o toco onde sentava para ler havia crescido e tinha galhos e folhas. Com o tempo, o pé de joaninha, como as crianças o chamavam, se transformou em árvore. Joaninha subia até o alto, onde continuava lendo e pensando com força: vou ser feliz, vou ser feliz, vou ser feliz.
Uma vez o pai voltou sem cheiro de bebida, e daí em diante nunca mais bebeu. As crianças esperavam por ele no portão, pulavam no seu colo e o beijavam sem medo. Outra vez, a mãe arrumou um emprego com folga diária. Por essa época, um perfume doce começou a invadir a casa. Enquanto os outros dormiam, Joaninha subia na sua árvore alta e florida, apanhava as pequenas flores brancas e guardava seu perfume entre as páginas do livro, recitando com força: sou feliz, sou feliz, sou feliz.

Passou um ano. Os pais trabalhavam, Joaninha ia à escola e cuidava dos irmãos. A renda do casal aumentara, e aos poucos eles conseguiam reformar a casa e encher a despensa. A menina continuava subindo no pé de jambo, agora com cuidado para não esmagar os frutos de pele clara e perfumada. Uma noite subiu tão alto que sumiu entre as nuvens e nunca mais desceu.
Dizem que, quando um pé de jambo começa a dar seus frutos cheirosos, é Joaninha que vem abençoar nossa casa. Nesses dias, devemos ler uma página de qualquer livro e agradecer com força: somos felizes, somos felizes, somos felizes.

 
 
Lindas Lendas Brasileiras. Antologia lançada pela Rede de Escritoras Brasileiras (REBRA), Scortecci Editora: São Paulo, 2014