Pois é, peraí...



Luci Afonso
Acabamos de nos mudar para o último andar, que não tem copa. Dona Ridica, a copeira do andar inferior, controla seu pequeno reino como uma déspota, interrompendo, sempre que necessário, a conversa ao telefone:  
(Pois é, minha filha. Você sabe que sou uma pessoa feliz, satisfeita. Amo minha família. Meu marido, meus filhos, meus netos, todos me respeitam. Minhas noras, então! Peraí...)
— A senhora vai levar três copos? Precisa tudo isso? Aí eu fico sem nenhum. Quanto mais eu ponho na bandeja, mais vocês pegam! Se puser dez, pegam dez. Se puser vinte, pegam vinte. Põe copo, pega copo. No fim do dia, acabou!  
(...Pois é, eu me dou bem com todo mundo, adoro meus vizinhos. Não reclamo de nada, aceito tudo caladinha, barulho, confusão, tudo! Peraí...)
— Aqui não pode almoçar, não. Se todo mundo quiser sentar, onde é que eu fico? Hã? O micro-ondas é só da copa. A senhora quer saber como esquentar a comida? Melhor trazer quente de casa.

 (...Pois é, o Seu Inácio trouxe um pitbull da chácara que não me dá sossego. Ontem, ele pulou no jardim e esmagou as flores. Não fiz escândalo; não dei um pio. Fui quietinha dar queixa na delegacia. Peraí...)
— Tem formiga na sala de vocês? Deve ter pacote de biscoito ou açúcar aberto. Formiga é um bicho muito perigoso. Aqui nunca teve! De repente, começou a aparecer.
(...Pois é, menina, os policiais já me conhecem e até brigam para ver quem vai me atender. Levei a prova do crime: uma foto do cão pisando nas flores. Peraí...)
— Quem comprou essa garrafa de vocês? Que tampa dura! Toda vez preciso pedir pra alguém abrir. Dá muito trabalho! Quase estraga a minha unha.
(...Pois é, minha filha, quero ver se a polícia vai resolver o assunto rápido como da última vez, quando o maldito cachorro quase matou a nossa gata. Peraí...)
— A hora certa de pegar o café é às 9, que aí eu faço pra todo mundo. Se vier buscar depois, me atrapalha. Imagina se cada um vier na hora que quiser! Vou passar a manhã fazendo café.
(... Te contei não? O homem foi chamado à delegacia e teve que assinar um documento se responsabilizando pelo animal. Depois disso, nunca mais falou comigo, mas que culpa eu tenho se ele resolveu criar um monstro em casa?)

Passados alguns meses, fomos surpreendidos com a chegada de Janice, a nova copeira. Ela é simpática, faz um café gostoso, dá livre acesso aos copos e até ao micro-ondas.
Dona Ridica se aposentou. Coitado do Seu Inácio!

Postagens mais visitadas deste blog

Os personagens e seus nomes

Roupa de época

A escrita de uma crônica*