Palavrinha ou palavrão?




Luci Afonso

Não sei o que está acontecendo comigo. Tenho provocado confusão aonde vou: supermercados, farmácias, lojas, estacionamentos, padarias. Em ônibus, não: não ando de ônibus. Tampouco no trânsito: não dirijo há dois anos. Quem me vê assim calma, a voz baixa e contida, os movimentos suaves, a aura zen, não imagina o quanto posso me tornar belicosa à menor provocação. Que nem jararaca, mansa até ser pisada.
Não menosprezo ninguém, principalmente pessoas humildes. Revoltam-me atitudes pedantes ou racistas. Doutores de gravata borboleta deveriam aprender com orangotangos a viver em sociedade.
Não humilho, não desacato, mas coisas miúdas me irritam além da conta.
Como ontem, na padaria:
— Aqui o presunto, senhor — disse a balconista, entregando-me o pacote.
— Do que você me chamou?
— Desculpe! Aqui o presunto, senhora.
— Quero também seis roscas de creme, por favor.
— O quê? — a moça riu como se tivesse ouvido uma grande besteira.
— Seis roscas de creme.
— Isso não existe, senhora.
Toda tarde eu comprava roscas para meu filho naquele mesmo estabelecimento.
— Então, o que é aquilo ali? — perguntei, a voz ligeiramente alterada, e apontando a prateleira inferior do balcão.
— Ah, a senhora quer dizer rosca doce — ela me corrigiu.
A esta altura, o diálogo chamara a atenção de todos. Os outros balconistas se posicionaram ao lado da colega para defendê-la. Os clientes aguardavam o desenlace da conversa.
— Pois é, rosca doce. E o que é aquele negócio amarelo em cima?
— É creme.
— Humm, creme. Então, como podemos chamá-las?
Roscas... de creme?
— Me dê seis — peguei a sacola sem dizer obrigado e passei no caixa.
Semana passada, no Extra:
— Esta fila é até dez itens — avisei ao rapaz que entrou na minha frente, o carrinho cheio. As filas comuns estavam lotadas.
— Eu não sou cego — ele respondeu.
— Não é cego, mas é estúpido. E muito abusado...
— Eu não sabia que hoje era o Dia do Velho — ele comentou.
— Pois é, também é o Dia do Palhaço — devolvi, antes de chamar o gerente para cuidar do espertinho.
Acho que cansei de ser boazinha: bom dia, por favor, boa tarde, com licença, boa noite, desculpe. Não foi nada, tudo bem, pois não, pode passar. O sorriso escancarado, a gentileza indiscriminada, a boa vontade extrema.
Hoje sou mazinha. Talvez seja efeito dos hormônios da maturidade. Quando eles sossegarem, pode ser que eu volte ao normal.
Consultei duas amigas sobre o assunto. Uma, que se casou virgem aos cinquenta anos, explicou-me que “nessa idade a gente se solta mais”. A outra, bem mais jovem, acha que sou muito “inha” e que por isso as pessoas não me respeitam.
— Solta um palavrão de vez em quando, p..., e ninguém vai te f... — Como incentivo, ela me emprestou o Moderno Dicionário Brasileiro de Termos Obscenos e o livro Palavrinha ou Palavrão? — Exercitando a Assertividade.
— É do ca... — ela garantiu.
Depois disso, venho me soltando e xingando, soltando e xingando, xingando e soltando. Quero ver que m... vai dar.


Postagens mais visitadas deste blog

Os personagens e seus nomes

Roupa de época

A escrita de uma crônica*