A testemunha


Luci Afonso

Bancos vazios conversam sob a cumplicidade das árvores, e o chão se cobre de flores trêmulas. Crianças brincam no piso fresco do pilotis. Gatos e velhos fazem a sesta em quartos estreitos, enquanto passantes silenciosos decifram o alfabeto inscrito nas fachadas antigas: B de bênção, D de desejo, O de oração...

A parada de ônibus espera a jovem que atravessa a cidade a passos leves. O balanço de madeira aguarda a brisa que soprará assim que o sol atingir o topo do ipê-rosa no gramado em frente. A relva seca pede chuva — nem enchente, nem dilúvio, apenas algumas gotas que amenizem a sede das frágeis raízes.

A fiel testemunha registra as surpresas e confirmações diárias da paisagem. Recolhe os desejos, bênçãos e orações dos edifícios; refresca as crianças cobertas de suor; sorri aos velhos e gatos que se espreguiçam nas janelas.

Os pés descalços são fecundados pela seiva das flores ainda úmidas, e os olhos enormes são banhados pelo chuvisco que fertiliza o solo.

O balanço e a brisa se amam sem culpa.

Brasília entardece.


(Foto: Usha Velasco)

Postagens mais visitadas deste blog

Os personagens e seus nomes

Roupa de época

A escrita de uma crônica*