Súplica

Luci Afonso


Amiga,

Estou sempre de vasos abertos pra você.
Conte comigo nas horas de maior aperto. Guardarei seus dejetos mais íntimos, aguentarei os mais fortes odores, acolherei emissões de gases sem reclamar.
Fofa, ao entrar aqui, seja você mesma. A chefe nunca saberá dos palavrões na frente do espelho, as colegas jamais suspeitarão das estrias escondidas. Somos cúmplices e confidentes.
Do fundo do meu encanamento, só peço uma coisa: faça sua obra no lugar certo, sem deixar rastros. Ninguém precisa conhecer nossos segredos.
Não me trate como privada, Lindinha. Cuide de mim como eu cuido de você.
Lembranças à família,

WC




Amigo,

Estou sempre de vasos e mictórios abertos pra você.
Conte comigo nas horas de aperto. Guardarei seus dejetos mais íntimos, aguentarei os mais fortes odores, acolherei emissões de gases sem reclamar.
Cara, ao entrar aqui, seja você mesmo. O chefe nunca saberá dos palavrões na frente do espelho, os colegas jamais suspeitarão da barriguinha de chope. Somos cúmplices e confidentes.
Do fundo do meu encanamento, só peço uma coisa: faça sua obra no lugar certo, sem deixar pistas. E acerte no alvo: marcar território está fora de moda.
Não me trate como privada. Cuide de mim como eu cuido de você, valeu?
Sem mais para o momento,

WC

(Texto produzido para uma campanha de conscientização sobre o uso correto do banheiro público numa repartição federal. Vetado na íntegra.)

Postagens mais visitadas deste blog

Roupa de época

Os personagens e seus nomes

A escrita de uma crônica*