Comentário sobre O Guardião da Manhã



Roberto Klotz



Quinta-feira, 4 de junho de 2009

Luci,

Ontem terminei de ler O guardião da manhã.

É muito gostoso ler um livro quando conhecemos e admiramos a escrita da autora. Foi muito saboroso reconhecer textos antes apreciados na oficina ou no blog.

É muito curioso escrevermos no mesmo gênero e ao mesmo tempo tão distantes. Os seus textos estão muito mais próximos da literatura. São poéticos. Tenho muito a aprender com você.

O lançamento foi há uma semana, na quinta-feira. Senti a sua angústia e desespero determinados pela irresponsabilidade da editora. Fiquei muito feliz e emocionado quando finalmente o livro chegou às suas mãos. A minha emoção vazou quando da leitura de Encantada. Eu já conhecia o texto e, talvez por isso, pude saborear cada palavra ouvida.

No dia seguinte ao lançamento do livro, fui, como sempre, à oficina da Câmara. Quando estacionei, fui recebido pelo Pernambuco — o Guardião da Manhã —, que já havia recebido um livro seu. Adorei o seu gesto.

Quando comecei a leitura do meu exemplar, fui dobrando as folhas para marcar os apreciados. Pensei em lhe dizer quais foram, os três ou quatro, os mais gostados. Impossível. Meu livro ficou parecido com um mostruário de orelhas, tantas páginas que eu marquei. Parabéns.

Tive uma surpresa: conheço o personagem de Roupa de época. É um maluco! Onde já se viu alugar uma cartola!

Um grande abraço e parabéns por mais um livro de qualidade.

Klotz


Roberto Klotz é autor do livro de crônicas "Pepino e Farofa", LGE Editora, 2009.
http://robertoklotz.blogspot.com

Postagens mais visitadas deste blog

Os personagens e seus nomes

Roupa de época

A escrita de uma crônica*