Testamento


Jonas Camargo era um homem muito rico. Escreveu um testamento, mas não teve tempo de pontuá-lo:

‘‘Deixo meus bens à minha irmã não a meu sobrinho jamais será paga a conta do alfaiate nada aos pobres”.

Até hoje os herdeiros brigam na Justiça, cada um dando uma pontuação diferente ao texto.

O sobrinho:

Deixo meus bens à minha irmã? Não, a meu sobrinho. Jamais será paga a conta do alfaiate. Nada aos pobres”.

A irmã:

Deixo meus bens à minha irmã, não a meu sobrinho. Jamais será paga a conta do alfaiate. Nada aos pobres”.

O alfaiate:

Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do alfaiate. Nada aos pobres”.

Os descamisados:

Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do alfaiate? Nada! Aos pobres”.

(Texto adaptado de Dicas da Dad, Correio Braziliense, 28/05/03)

Postagens mais visitadas deste blog

Os personagens e seus nomes

Roupa de época

A escrita de uma crônica*