Roupa de época




Luci Afonso


Aproveito a manhã de sábado para alugar a fantasia do sarau. Na Rua das Noivas há uma loja especializada, a Luxo no Lixo, no subsolo do Bloco “A”. Ao descer as escadas, vejo, atrás do balcão, uma máscara de leão assustadora. É a dona da loja, com o rosto inchado após uma cirurgia plástica.

— Não repare, fiz esta semana - ela se desculpa.
— Quase não dá para ver - tento disfarçar. — A senhora tem uma roupa do século XIX?
— Século XIX? Não lembro como era. Você trouxe uma foto?
— É do tempo de Machado de Assis.
— Ah, aquele da minissérie com a Vera Fischer?
— Não, é outro, mas a roupa é parecida. De época.
— De época? Por que você não disse logo?

Ela me conduz a um cubículo entupido de fantasias.
— Esta é uma réplica da minissérie - ela diz, acariciando um lindo vestido vermelho com renda. — Pena que não te sirva. Vou procurar alguma coisa maior.
— Pode ser só a blusa. Tenho a saia em casa.
— 50 ou 52?
— 48.

Ela se enfia entre os cabides e me dá algumas blusas. Estou quase conseguindo abotoar a primeira quando chega outro cliente.
— Não repare, fiz esta semana - ela novamente se desculpa.
— Tudo bem - diz uma voz conhecida. — A senhora tem uma cartola de cetim preto, com forro, 61 cm de diâmetro e 22 de altura?

Meu amigo Klotz e eu falamos do sarau enquanto provamos os acessórios.

— Não repare... - ouvimos pela terceira vez.
— Estimo as melhoras - deseja Alexandra, antes de embarcar em nossa viagem ao passado: — A senhora tem uma tiara de melindrosa, pois não?

Finalmente acho uma blusa que me sirva. Para combinar, uma tiara na mesma cor, luvas brancas de renda e um leque espanhol. Meus companheiros igualmente têm sucesso na busca.

Escolhidos os objetos, é hora de preencher o detalhado contrato de locação. Parece que estamos alugando um imóvel. Além de pagar à vista, temos de deixar um cheque-caução de três vezes o valor do aluguel.

Klotz se revolta:
— Isto é ilegal!
— Desculpem, é que já tive muito prejuízo, até de um Procurador da República...
— Nunca mais piso aqui. - Declara ele, indignado, segurando a cartola.

Acalmados os ânimos, os três viajantes do tempo se despedem, ansiosos pelo breve reencontro no século XIX.

Postagens mais visitadas deste blog

Os personagens e seus nomes

A escrita de uma crônica*