Para mim e para o Otto*



Hélio Pellegrino e Otto Lara Resende

Nenhuma tarefa é tão pesada como a de pastorear o ser das coisas que a nós se revela. Preciso aprender a trabalhar, com método calmo e transparente amor. Só na medida em que as águas surgem é que elas renovam. Do fluir decorre a fluência. Estou certo de que só o criar alimenta e restaura a capacidade da criação. O preço da graça que recebemos é nos mantermos fiéis a ela, é nos tornamos os porta-vozes dela, nos fazermos a voz dela, a linguagem dela. A graça quer aceder ao mundo através de nossa boca que fala. Fala boca, para que te possas depois calar com dignidade. Fala, para mereceres o silêncio, que vem depois, como a noite vem depois do dia. Fala.

Rio de Janeiro, 12/6/1962

*Trecho de bilhete publicado em “Lucidez Embriagada”, Editora Planeta do Brasil, 2004.

Postagens mais visitadas deste blog

Os personagens e seus nomes

Roupa de época

A escrita de uma crônica*