Encantada



Luci Afonso


Espero à beira do rio, enquanto o barco se aproxima lentamente. Soltei o cabelo loiro, que chega à cintura. Escolhi o vestido amarelo de renda, nosso preferido, e o chapéu de palha amarrado com fita. Os pés estão descalços para adentrar a água fria.

Ele se levanta e estende a mão. Veste a camisa azul clara, nossa preferida, e uma calça de linho branco. Cortou o cabelo moreno, aparou a barba e se perfumou com aquele aroma de que tanto gosto e de que não lembro o nome.

Sento-me no banco de madeira e recebo, em papel de seda de cor indefinível, o presente que ele me trouxe da longa viagem. É uma sombrinha japonesa, bordada com rouxinóis e flores de cerejeira.
— Para passearmos juntos - ele diz, sorrindo, na voz quase esquecida.

Ele começa a remar. Estamos no meio do rio quando ele pára e segura meu queixo com a ponta dos dedos.
— Senti sua falta - falamos ao mesmo tempo.

Um rouxinol se desprende do bordado, pousa no ombro azul e começa a cantar. Minúsculas flores rosadas caem em meu colo. Eu as planto no cabelo moreno, enquanto afago a barba macia.

Outros barcos vagueiam na manhã de sol, mas apenas o nosso está envolto em sonho. As pessoas invejam tanta felicidade.

Já vai escurecer quando nos despedimos e marcamos novo encontro. Fecho a sombrinha e abraço meu pai com força:
— Te adoro! - nos dizemos ao ouvido, um segundo antes de despertarmos.

Postagens mais visitadas deste blog

Roupa de época

Os personagens e seus nomes

A escrita de uma crônica*