Linguagem

Anabe Lopes









Busco nos recônditos da lembrança
a linguagem da plebe em que fui formada
e linguagem do amor e da dor em que fui gerada

Sorverei o perfume dessa flor teimosa
Que vomitará o tédio,
Sobre o negro asfalto,
De piche, de pedra e de sangue


Ela expressará o sentido da seiva
corrente nas artérias
do homem morto sob o asfalto
que fará nascer uma esperança amarela
De um futuro negro,
E haverá mais flores rompendo o nojo
Teimosas e amarelas flores
Amarela esperança.

Decifrará dor de que somos feitos
Desfará o nó de existir

Despencará no mundo escurecido
Iluminado canto alegre
de pássaros teimosos
ao nascer de um dia
teimoso e ensolarado
que vencerá a poluição
e simplesmente

brilhará!!

Postagens mais visitadas deste blog

Roupa de época

Os personagens e seus nomes

A escrita de uma crônica*