Postagens

Mostrando postagens de 2016

BANCA SEM PAREDE

Imagem
BRASÍLIA ASSISTE A RARA CONJUNÇÃO CÓSMIC0-ARTÍSTICA-SENSORIAL-DEGUSTATIVA



POR QUÊ? Porque precisamos transformar o mundo com arte.
QUEM? Escritores incríveis, ilustradores sensacionais, artistas plásticos fantásticos.
QUANDO? Sábado, 10 de dezembro, a partir das 13h.
ONDE? No ponto de maior concentração energética do planeta. Vênus rege a Ala de Escritores e Editoras Independentes.
PICNIK NA PRAÇA DOS CRISTAIS
facebook.com/picniknocalcadao
www.picnik.art.br
bancasemparede@gmail.com

Como nasce uma velhota

Imagem
Conheça o processo de criação do livro Velhota, eu? 2ª edição 2013
Equipe
Luci Afonso (autora) | 
Patrícia Meschick (design e diagramação) 
Eudaldo Sobrinho - Neno (design e ilustrações)






https://www.behance.net/gallery/26185751/Velhota-eu

Resenha de Velhota, eu? no Bússola Literária

Imagem
Palavra do Editor
Arisson Tavares da Silva
Novembro de 2016



Nossa sugestão de leitura para o mês de novembro de 2016 foi Velhota, Eu?, de Luci Afonso.
Já de cara, gostei muito da capa e da diagramação da segunda edição do livro (revisada e ampliada). Não é a toa que outra obra da autora, Senhora dos Gatos, foi finalista do 55º Prêmio Jabuti de Literatura na categoria Melhor Ilustração e ganhou o 14º Prêmio Jorge Salim de Excelência Gráfica na categoria Design Gráfico. Enfim, com as ilustrações de Eudaldo Sobrinho e diagramação de Patrícia Meschick, o livro já me encantou só pela qualidade gráfica.
Após começar a leitura, percebi que, para acompanhar textos tão interessantes, a diagramação na verdade estava à altura. Para mim, que conheci pessoalmente a autora, foi divertido ver por meio das letras uma Luci ousada e 100% cômica (que vive escondida por trás de uma senhora aparentemente tímida e de voz baixa).
A crônica que deu nome ao livro é uma prova disso. A narração mostra o sentimento e…

Bate-papo com Luci Afonso

Imagem
QUEM DISSE QUE ALUNO NÃO GOSTA DE LER?



Gosta, sim, pelo menos os alunos da E.M. Profa. Auxiliadora Paiva, em Araxá, Minas Gerais.
Veja as fotos do nosso encontro:
https://www.facebook.com/profile.php?id=100000434529474&sk=photos&collection_token=100000434529474%3A2305272732%3A69&set=a.1355298954494576.1073741844.100000434529474&type=3&pnref=story

Querido Fred

Imagem
Luci Afonso
Olhou bem a sua volta, para certificar-se de que não era seguida. Apesar do sol forte, vestia moletom com capuz e óculos escuros enormes, que comprara na Feira dos Importados. Viu-se refletida numa vitrine e concluiu que estava mesmo irreconhecível. Deu duas voltas no prédio antes de descer o lance de escadas para o subsolo mal iluminado. Eram quatro horas da tarde. Ninguém à vista. As poucas lojas pareciam vazias, inclusive a lojinha do canto, a que se destinava.  Tinha cronometrado toda a operação, sem possibilidade de erro. Virou-se à esquerda e entrou. Uma jovem punk veio atendê-la com um sorriso de fazer inveja: — Pois não, senhora. Posso ajudá-la? Nas outras tentativas, tinha chegado até este ponto e recuado, com a desculpa de que se enganara de loja. Hoje, porém, tomou coragem e respondeu: — Sim, querida. — Acho que sei o que a senhora deseja. Me acompanhe, por favor. Foi l…

A banca exterminadora

Imagem
Luci Afonso
Apoiei-me bem no tampo da mesa, dei um grito e levantei-me, ignorando a dor dilacerante nas coxas. Abaixo da cintura, tudo doía. Era preciso enorme esforço para levantar da cadeira ou da cama. O ortopedista diagnosticara inflamação no ciático. Isso porque, nos últimos três meses, eu passara horas incontáveis ao computador, escrevendo meu Trabalho de Conclusão de Curso. Apesar da idade, era a primeira vez que eu fazia o TCC. Quando mais jovem, eu começara a faculdade quatro vezes sem terminá-la. Sempre a mesma história: eu passava no vestibular, iniciava o semestre, ia desanimando, começava a faltar e acabava deixando o curso. Desta vez, pretendia me formar. O fluxo curricular se invertera, porque eu havia abandonado o Estágio Supervisionado II por medo dos alunos. Agora, ao TCC se seguiriam dois semestres de estágio obrigatório, mas eu só conseguia pensar num problema de cada vez. Terminada a Licenciatura, planejava fazer uma breve pausa, e logo depois uma pós-graduação. Ti…

Alice pegou o seio

Imagem
Luci Afonso Eu brincava de luzes na sala, quando Dôra apareceu na porta da cozinha: — Alice pegou o seio! — ela disse, radiante. A segunda neta levara doze horas para nascer e, passados três dias, ainda não pegara o seio materno, que explodia em leite. A notícia me encheu de esperança. Eu brincava de luzes quando estava triste. Pegava duas ou três pulseirinhas coloridas e transparentes, colocava no braço esquerdo e o movimentava ao sol. De preferência, às dez da manhã, por causa da inclinação da luz. Me sentava perto da janela e observava o reflexo estendendo-se pela sala e criando um círculo ao meu redor. Sempre gostei de reflexos. Parecem carinhos. Além de brincar de luzes, nos dias mais difíceis — segunda, quarta, sexta e domingo — eufazia uma festa de mentirinha. Ligava o rádio bem alto, tirava os chinelos e girava descalça pela casa. Parecia louca, mas estava só triste. A gatinha me concedia a dança a contragosto, e meu filho servia de parceiro relutante, mas gentil. O melhor mesmo…

Consentimento

Imagem
Luci Afonso

Lavar a louça com detergente branco como o gozo da noite passada.
Arrumar a cama, cobrindo os vestígios de amor no lençol.
Dobrar cobertores e alisar travesseiros.
Abrir a janela para iluminar o quarto.
Trocar toalhas manchadas de prazer.
Lavar roupas íntimas a mão com sabonete cremoso.
Separar a lingerie vermelha e as calcinhas de seda.
Deixar de molho para tirar o cheiro do sexo.
Vestir as meias-ligas de renda preta.
Usar a tornozeleira dourada.
Posicionar o espelho na beira da cama.
Esperar nua o barulho da chave na porta.
Abrir devagar o zíper da calça preta.
Gritar “ai, amor”, quando ele a tomar com força.
Consentir quando ele a chamar de “quase noiva”.
Dizer ao seu ouvido “Aceito”, quando ele rugir de prazer.
Ninguém me disse que era tão fácil ser feliz.



Comentários no Facebook:


Cinthia Kriemler Que plenitude, hein? Quanta vida nessas marcas e manchas. Feliz por você! E surpresa de te ver escrever poema. O que não faz o amor!26 de junho às 15:20

A vista de cima

Imagem
Luci Afonso
Beatriz e Cecília Valentina brincam embaixo de um jovem ipê amarelo. Uma delas sobe no pequeno galho onde despontam os primeiros brotos, a menos de dois metros de altura. — Como é a vista aí de cima? — pergunta Beatriz, que está no chão. Cecília Valentina observa em volta e responde, com enlevo: — É linda, Beatriz!
Saio cedo para caminhar. Uso chapéu bordado e levo câmera de bolso para registrar os acontecimentos diários — flores caídas, folhas ao vento, pessoas ao despertar. É a melhor parte do dia, antes dos sintomas e flutuações dos remédios. A médica recomendou olhar bem onde piso. Já levei dois tombos, típicos da fase em que me encontro, mas não consigo fixar os olhos no chão — pelo menos, não enquanto velhinhos encantadores e senhoras estrangeiras tristes cruzarem o meu caminho. Tenho uma coisa com velhinhos: compartilhamos a insistência em v…

Bom dia, Deus

Imagem
Luci Afonso
Não uso despertador. Às sete em ponto, minha gata Hannah abre a porta do quarto e pula na cama, querendo pescocinho — nome que dei ao carinho no pescoço, que a faz ronronar de prazer. Em troca, ela me lambe com sua linguinha áspera e morde meu dedão do pé, seu eu não estiver acordada. O pescocinho é repetido várias vezes ao dia, e é ela que determina a duração. Quando está satisfeita, levanta-se e vai cuidar da vida. Durmo mais um pouco. Às sete e quarenta e cinco, Anacleide traz a bandeja com o café da manhã, junto com uma flor que ela roubou no caminho. Não, ela não é homoafetiva, é uma alma pura que se apaixonou por mim e me cerca de cuidados, como se tivesse adotado uma criança grande.    Preparo-me para caminhar. Faz um pouco de frio, mas eu gosto assim. Me aconchego em mim mesma e dou três voltas na quadra. A cada dia aumento o trajeto, em busca de mais endorfinas.  Depois do banho morno, coloco o vestido longo que sempre uso em casa e os colares de sementes miúdas que …

Para Olivia

Imagem
Luci Afonso Olivia querida, Quando soltamos os balões coloridos em direção ao céu e dissemos em coro “Elicio! Elicio!”, senti-me tão viva!  Quanto mais alto voavam, mais forte era meu desejo de viver. Me perdoa? Seu grito “Acaboooou!”, quase partindo-a em duas, ecoa em mim após tantos dias. Onde encontrou forças para colocar a poesia na roda? Como se lembrou de distribuir rosas, poemas e balões coloridos? Por que agradeceu, quando é você que merece gratidão? Ao velar o corpo de Elicio, você parecia cuidar de um filho no berço ou de uma planta no jardim. Você reparou que o sol se escondeu, que as nuvens escureceram, que o vento se aquietou? O tempo fechou os olhos e fez um minuto de silêncio para que vocês se despedissem em paz. Outros falecimentos aconteciam à nossa volta naquela tarde, mas nenhum de um poeta, como o nosso. Dizem que o outono é a estação do ano preferida de quem parte (talvez pela temperatura amena), e a mais temida de quem fica. Dizem também que o fim de tarde é propício…

Posse na Academia Internacional de Cultura - AIC

Imagem
Brasília, DF, 31 de março de 2016

Boas-Vindas

Imagem
Luci Afonso Bom dia. Confesso que não esperava sua visita. Não acreditei quando me contaram que o senhor havia chegado. Por que eu? Por que agora? Por que para sempre? Não poderia esperar mais um pouco? Esforcei-me para acomodá-lo, mas no fundo eu me rebelava contra sua presença em minha vida. Claro que eu tinha ouvido falar do senhor, mas parecia algo tão remoto. Nunca pensei vê-lo de perto. De dentro. Ao lado. À frente. Não sei como dizer... O senhor não é bem-vindo. Perdoe a franqueza, mas sei que já ouviu isso antes. Eu queria que nunca tivesse me olhado, que nunca tivesse me tocado. Eu seguiria tranquila. Agora que veio, porém, é preciso recebê-lo bem. Arrumar o quarto, fazer a cama, espanar os móveis. Um hóspede será sempre um hóspede. É bom perguntar o que pretende, do que precisa, quanto tempo planeja ficar. Ou há alguma maneira de convencê-lo a ir embora? Desde que o senhor chegou, não durmo direito. Passeio pela varanda, conversando com a noite. Não tenho fome, não dou risada. Pas…

Monstrinho

Imagem
Luci Afonso
Nossa rua tem um retardado que vive numa cadeira de rodas. O nome dele é Geraldo, mas longe dos adultos nós o chamamos de Monstrinho. Fui eu que inventei o apelido, porque ele se parece muito com um monstro que tem no livro da escola.
Geraldo é filho do Zedelino, dono do boteco na esquina com a avenida Getúlio Vargas. O lugar vive cheio, ora de pinguços jogando truco, ora de crianças encardidas comprando balinhas. Todo mundo diz que o Zedelino tem muito dinheiro guardado, mas ninguém tem certeza. Ele só usa roupas surradas e dirige uma Kombi caindo aos pedaços para transportar mercadorias. Eles moram nuns cômodos fedidos no segundo andar do boteco.
Monstrinho passa o dia na janela, olhando o movimento. Só sai para ir ao médico na Santa Casa. Dizem que ele vai viver pouco, por causa do retardamento. Também, pra que viver muito desse jeito? Melhor morrer logo. Igual à mãe dele, que morreu no parto.
Ele nos observa com atenção enquanto jogamos bola à tarde. Sou doido por futebo…